Este é um blog que incentiva a edificação através da leitura da bíblia, boa preparação das publicações, cânticos, experiencias e ajuda a direcionar o leitor ao site oficial, aceitamos somente comentários apreciativos e construtivos, visto que não somos um fórum de discussões. Este blog não representa e não é oficial das testemunhas de Jeová, e muito menos é apóstata, basta verificar seu conteúdo, é um blog de iniciativa pessoal, acesse: Nosso Site Oficial: www.jw.org

Os Dinossauros existiram? O que aconteceu com eles?


A PALEONTOLOGIA é o estudo dos fósseis, e os fósseis são os restos de vida nas eras passadas." Mas, como disse um paleontólogo, é "uma ciência altamente especulativa e opiniática". Isto é evidente no que tange aos dinossauros. Alistando algumas especulações quanto ao que aconteceu com eles, o cientista G. L. Jepson, da Universidade de Princeton, declarou:


"Autores, de variada competência, sugerem que os dinossauros desapareceram porque o clima se deteriorou. . . ou que a dieta se deteriorou. . . . Outros escritores puseram a culpa em doenças, parasitos, . . . mudanças na pressão ou na composição da atmosfera, gases venenosos, pó vulcânico, oxigênio em excesso proveniente das plantas, meteoritos, cometas, esgotamento do pool genético por pequenos mamíferos comedores de ovos, . . . radiação cósmica, mudança dos pólos gravitacionais da Terra, enchentes, deriva continental, . . . drenagem dos meios ambientes pantanosos e lacustres, manchas solares." - The Riddle of the Dinosaur (O Enigma do Dinossauro).


É evidente, à base de tais especulações, que os cientistas não conseguem, com qualquer grau de certeza, responder à pergunta: O que aconteceu com os dinossauros?


Teoria da Extinção Súbita


Uma teoria mais recente foi proposta por uma dupla de pai e filho, Luis e Walter Alvarez. Walter Alvarez descobriu, nos arrabaldes da cidade de Gubbio, na Itália central, uma curiosa e fina camada vermelha de argila, no meio de duas camadas de calcário na formação rochosa. A camada inferior de calcário apresentava uma abundância de fósseis. A camada superior era quase que inteiramente desprovida de fósseis, levando os geólogos a concluir que a vida havia subitamente desaparecido e que a camada fina e vermelha de argila tinha alguma relação com tal extinção.


A análise revelou que a argila era rica em irídio (um metal), sendo 30 vezes mais rica do que a concentração normalmente encontrada nas rochas. Eles sabiam que tais altas concentrações deste elemento raro só poderiam provir do núcleo da Terra ou de fontes externas à Terra. Concluíram que o irídio foi depositado por enorme asteróide que atingiu a Terra, provocando a súbita extinção dos dinossauros.


Depois da descoberta da argila enriquecida de irídio em Gubbio, encontraram-se depósitos similares em outras partes do mundo. Corroborava isto a hipótese do asteróide? Alguns cientistas permanecem cépticos. Mas, como reconhece o livro The Riddle of the Dinosaur, a hipótese Alvarez acrescentou "fermento fresco ao estudo da extinção e da evolução". E o paleontólogo Stephen Jay Gould admite que ela poderia diminuir "a importância da competição entre as espécies".


Admite um redator de assuntos científicos, ao comentar esta nova teoria e a aparentemente súbita extinção dos dinossauros: "Eles poderiam abalar os alicerces da biologia evolucionista e pôr em dúvida o atual conceito da seleção natural."


O cientista David Jablonski, da Universidade do Arizona, EUA, conclui que 'para muitas plantas e animais, a extinção foi abrupta e um tanto especial. As extinções em massa não são meramente os efeitos cumulativos de mortandades graduais. Aconteceu algo incomum'. Sua chegada também se deu de forma abrupta. A revista Scientific American comenta: "O súbito aparecimento de ambas as subordens dos pterossauros sem quaisquer antecedentes óbvios é bem típico dos fósseis." Isso também acontece com os dinossauros. Seu aparecimento e desaparecimento relativamente súbitos contradiz o conceito comumente aceito de evolução lenta.


A Datação dos Dinossauros

Encontram-se regularmente ossos de dinossauros em camadas da Terra inferiores às de ossos humanos, levando muitos a concluir que eles pertencem a um período anterior. Os geólogos chamam a este tempo de era mesozóica e a subdividem nos períodos cretáceo, jurássico e triássico. Os esquemas de tempo usados para tais períodos acham-se na ordem de dezenas de milhões de anos. Mas, será que isto foi confirmado por qualquer grau de certeza?


Um método utilizado para medir a idade dos fósseis é chamado de datação pelo radiocarbono. Este sistema de datação mede a taxa de decomposição do carbono radioativo a partir do momento da morte do organismo. "Uma vez um organismo morra, ele não mais absorve novo bióxido de carbono de seu meio ambiente, e a proporção do isótopo se reduz com o tempo, à medida que ele sofre decomposição radioativa", declara a obra Science and Technology Illustrated (Ciência e Tecnologia Ilustrada).


No entanto, esse sistema apresenta graves problemas. Primeiro, quando o fóssil é considerado como tendo cerca de 50.000 anos, seu nível de radioatividade já se reduziu tanto que há grandes dificuldades em detectá-lo. Em segundo lugar, mesmo em espécimes mais recentes, este nível já se reduziu tanto que ainda é extremamente difícil medi-lo com exatidão. Em terceiro lugar, os cientistas conseguem medir a taxa atual de formação do carbono radioativo, mas não dispõem de meios de medir as concentrações de carbono no passado distante.


Assim, quer utilizem o método do radiocarbono para datar os fósseis, quer usem outros métodos, tais como o do potássio, urânio ou tório radioativos para datação das rochas, os cientistas não conseguem estabelecer os níveis originais desses elementos através das eras. Destarte, o professor de metalurgia Melvin A. Cook comenta: "A pessoa pode apenas adivinhar tais concentrações [de materiais radioativos], e os resultados sobre sua idade, assim obtidos, não podem ser melhores do que tal adivinhação." Isso se dá especialmente quando consideramos que o Dilúvio dos dias de Noé, há mais de 4.300 anos, provocou enormes mudanças na atmosfera e na Terra.


Os geólogos Charles Officer e Charles Drake, da Faculdade Dartmouth, ampliam as dúvidas quanto à exatidão da datação radioativa. Declaram eles: "Concluímos que o irídio e outros elementos associados não foram depositados instantaneamente. . . mas, em vez disso, que houve um intenso e variável influxo destes elementos constituintes durante um intervalo de tempo geológico relativamente curto, da ordem de 10.000 a 100.000 anos." Eles argumentam que a separação e o deslocamento dos continentes perturbou o globo todo, provocando erupções vulcânicas, bloqueando a luz solar e conspurcando a atmosfera. Por certo, tais eventos perturbadores poderiam alterar os níveis de radioatividade, distorcendo assim os resultados dos modernos relógios radioativos.


O Relato de Gênesis e os Dinossauros


Ao passo que o método de datação radioativa é inovador, ainda assim se baseia na especulação e na suposição. Em contraste com isso, o relato da Bíblia, contido no primeiro capítulo de Gênesis, declara com simplicidade a ordem geral da criação. Dá margem a possivelmente bilhões de anos para a formação da Terra e de muitos milênios, em seis eras criativas, ou "dias", de preparação da Terra para a habitação humana.


Alguns dinossauros (e pterossauros) podem deveras ter sido criados na quinta era alistada em Gênesis, quando a Bíblia diz que Deus fez "criaturas voadoras" e "grandes monstros marinhos". Talvez outros tipos de dinossauros fossem criados na sexta época. A ampla gama de dinossauros, com seu enorme apetite, teria sido apropriada, considerando-se a abundante vegetação que, evidentemente, existia em seu tempo. - Gênesis 1:20-24.


Quando os dinossauros tinham cumprido seu propósito, Deus pôs fim à vida deles. Mas a Bíblia silencia sobre como ele fez isso, ou quando. Podemos estar seguros de que os dinossauros foram criados por Jeová com um propósito, mesmo que, na atualidade, não entendamos plenamente esse propósito. Não eram nenhum engano, nenhum produto da evolução. Surgirem eles repentinamente nos fósseis, sem terem ligação alguma com quaisquer antecessores fósseis, e desaparecerem também sem deixar elos fósseis de ligação, é evidência contrária ao conceito de que tais animais evoluíram gradualmente no decorrer de milhões de anos. Assim, os fósseis não apóiam a teoria da evolução. Em vez disso, eles se harmonizam com o conceito da Bíblia sobre os atos criativos de Deus.

5 Comentaram (Comente também):

  1. Recentemente os cientistas descobriram que gigantescos animais herbívoros que viviam há milhões de anos na Amazônia, fertilizavam o solo através de seus dejetos(fezes e urinas). Como eles eram muito grandes, podiam andar grandes distâncias em um curto período de tempo, ajudando assim na rápida expansão da floresta. Provavelmente este foi o motivo pelo qual Jeová criou os dinossauros: fertilizar o solo do planeta rapidamente através de seus dejetos. Quando esta missão foi cumprida, Deus providenciou o desaparecimento deles. Para um maior esclarecimento sobre este assunto aqui vai um link para o site da revista Veja: http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/animais-da-megafauna-foram-cruciais-para-fertilizar-a-amazonia

    ResponderExcluir
  2. mto interesante gostei muito !

    ResponderExcluir
  3. O assunto é tão óbvio, eles existiram não podemos negar, são antigos não podemos negar, mas vamos raciocinar, por ex: A mais de um século o homem vem construindo carros e aviões, e a cada ano que passa, ele constrói carros e aviões mais modernos, de modo que os anteriores se tornam obsoletos, e dão lugar ao mais desenvolvido, ninguém diz que o La Marquisa, não existiu ou que ele se tornou uma Ferrari, ninguém diz que o 14bis não existiu ou que ele por um processo de seleção natural se tornou um f22, por que a história dos animais tem que ser diferente, apenas não eram o ideal, foram substituídos pelo que é ideal e está em harmonia com a terra e a natureza, o mesmo se dá com o homem, por que não, se o homem simiesco de milhões de anos atrás não era ideal ou perfeito porque não substituí-lo pelo que é perfeito, de modo que o quando olhamos a história da vida e da natureza notamos que nos últimos milhões de anos esteve ocorrendo um trabalho muito interessante na terra... (obs: não tenho religião)

    ResponderExcluir
  4. Bem interessante.. E o melhor de tudo "Logica"

    ResponderExcluir
  5. Bem interessante.. E o melhor de tudo "Logica"

    ResponderExcluir

Dependendo do conteúdo, seu comentário poderá ser excluído.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...