Para enviar uma Mensagem click na foto depois do Login. Será excluído, dependendo do seu perfil.

As Novidades do Site Oficial

Destaque de Salmos 92-101

92 É bom dar graças a Jeová E entoar melodias ao teu nome, ó Altíssimo; (92:1)
Logo a primeira declaração do Salmo 92 apresenta um forte motivo para ser grato a Jeová. É que é “bom”, quer dizer, próprio, correto, apropriado. O Altíssimo merece nossa gratidão, pois ele é nosso Dador da vida e tem provido o necessário para sustentar a vida, e para assegurar nossa eterna felicidade e bem-estar. Também, o espírito apreciativo exerce um efeito salutar sobre nós. Os ingratos nunca são felizes.
6 Nenhum homem irracional pode conhecê-los E nenhum estúpido pode entender isto.(92:6)
Tanto as obras criativas de Jeová como seus atos salvadores são maravilhas grandes e estimulantes. Visto que seus pensamentos são profundos, não são fáceis de compreender. Requer mais do que apenas examinar a aparência superficial das coisas. No que se refere aos motivos para o que Jeová Deus faz e permite, aqueles que são irracionais como os animais ou que são moralmente corruptos
simplesmente não os podem entender.
10 Mas tu enaltecerás o meu chifre como o dum touro selvagem; Umedecer-me-ei com óleo fresco (92:10)
Pelo visto, o salmista fala pelos servos de Deus como um todo, quando diz que seu “chifre”, seu poder, será enaltecido por Jeová e que ele se esfregaria com óleo, que representa revigoramento e alegria. Ao passo que os iníquos perecerão, os apreciativos que fazem a justiça florescerão profusamente iguais às palmeiras e aos possantes cedros do Líbano.
15 Para contar que Jeová é reto. [Ele é] minha Rocha, em quem não há injustiça (92:15)
Servos idosos de Deus cuidam alegremente da sua responsabilidade de “contar que Jeová é reto”. Se você for um cristão idoso, suas palavras e seus atos podem mostrar a outros que ‘sua Rocha é Jeová, em quem não há injustiça’. (Salmo 92:15) A palmeira é testemunha silenciosa das qualidades superlativas do seu Criador. Mas Jeová deu a você o privilégio de audivelmente testemunhar sobre ele aos que agora aceitam a adoração verdadeira.
12 Feliz o varão vigoroso a quem corriges, ó Jah, E a quem ensinas da tua própria lei. (94:12)
QUANDO foi a última vez que você falhou, em palavras ou em atos, nos modos e nas normas justas de Deus? É provável que não precise pensar muito no passado, talvez apenas algumas horas ou dias, porque todos nós pecamos, deixando de refletir corretamente a glória de Deus. Muitas vezes, Deus nos corrige de maneira tão branda e suave, que talvez nem mesmo reconheçamos isso como correção. Talvez leiamos algo na sua Palavra a que nos desvia dum proceder indesejável ou que corrige nosso modo de pensar. Em outras ocasiões, a correção da parte de Deus talvez seja mais direta e até mesmo um pouco dolorosa. Contudo, ele sabe qual o grau e o método da correção que são melhores para nós.
14 Pois Jeová não abandonará seu povo, Nem deixará sua própria herança (94:14)
É Interessante que o espírito de Deus pode motivar pessoas que nem mesmo são adoradores de Jeová, a virem em auxílio de seus servos. Como é isso possível? Ora, o homem foi feito à imagem de Deus. (Gên. 1:28) Isto significa que os homens, em geral, possuem certas qualidades piedosas: justiça, sabedoria, amor, e poder de natureza superior ao dos animais. Os homens têm também a faculdade da consciência, o senso íntimo do que é certo e do que é errado. (Rom. 2:14, 15) Portanto, o espírito santo pode trazer essas coisas à mente daqueles que não são servos devotados de Jeová, coisas que estimularão sua consciência a agir.
19 Quando os meus pensamentos inquietantes se tornaram muitos no meu íntimo, Tuas próprias consolações começaram afagar a minha alma (94:19)
As “consolações” de Jeová, encontradas na sua Palavra, são motivo de grande consolo. Refletir nelas durante a meditação e a oração ajuda a afastar pensamentos inquietantes e aumenta a confiança em Deus como Amigo compreensivo.
2 Compareçamos perante a sua pessoa com agradecimento; Brademos a ele em triunfo com melodias (95:2)
Os que conheceram a Jeová e apreciaram tudo o que ele fez pela humanidade compreenderam o privilégio e o dever de se expressarem em reverência e com agradecimento. Nos tempos antigos, Jeová Deus escolheu os descendentes de Israel como sua nação e revelou-se a eles, falando-lhes por intermédio de profetas, juízes e sacerdotes. Fez muitas coisas boas para aquela nação escolhida. O apreço pela grandiosidade e majestade de Jeová induzia os seus adoradores a se convidarem mutuamente com entusiasmo para se reunirem e unidamente expressarem agradecimentos.
3 Declarai entre as nações a sua glória, Entre todos os povos as suas obras maravilhosas (96:3)
Não devíamos sentir-nos igualmente comovidos? Não nos devíamos sentir maravilhados diante das obras grandiosas de Deus e induzidos a falar dele, e do que ele fez e ainda fará? A resposta é óbvia — devemos ‘declarar entre as nações a sua glória, entre todos os povos as suas obras maravilhosas’. (Salmo 96:3-5) Deveras, podemos manifestar nosso humilde apreço pelas obras maravilhosas de Deus por transmitir a outros o que aprendemos sobre ele.
5 Os próprios montes passaram a derreter-se como a cera por causa de Jeová, Por causa do Senhor de toda a terra (97:5)
Os efeitos dum forte temporal parecem ser descritos quando a Bíblia fala de montes ‘fluírem’ ou ‘se derreterem’. (Jz 5:5; Sal 97:5) Chuvas pesadas produzem riachos e violentas torrentes que levam o solo embora, como que derretendo-o. De modo similar, foi predito que a expressão da ira de Jeová contra as nações resultaria numa matança tal, que o sangue dos mortos derreteria os montes, isto é, levaria o solo embora. (Is 34:1-3) As montanhas ‘gotejarem vinho doce’ significa que os vinhedos nas suas encostas produziriam com abundância. — Jl 3:18; Am 9:13.
10 Ó vós amantes de Jeová, odiai o que é mau. Ele guarda as almas dos que lhe são leais; Livra-os da mão dos iníquos (97:10)
Na sua benevolência, Jeová vez após vez vem em auxílio do seu povo quando esse passa por dificuldades. Veja os seus tratos com a nação de Israel. Depois de serem milagrosamente libertados através do mar Vermelho, os israelitas proclamaram o seguinte, em um cântico para Jeová: “Tu, na tua benevolência [ou, “amor leal”, nota, NM com Referências], guiaste o povo que recuperaste.” (Êxodo 15:13) A libertação no mar Vermelho sem dúvida foi um ato de amor leal da parte de Jeová. Por isso, Moisés disse aos israelitas: “Não foi por serdes o mais populoso de todos os povos, que Jeová vos teve afeição a ponto de vos escolher, pois éreis o mínimo de todos os povos. Mas foi por Jeová vos amar e por ele cumprir a declaração juramentada que fizera aos vossos antepassados, que Jeová vos fez sair, com mão forte, para te remir da casa dos escravos, da mão de Faraó, rei do Egito.” — Deuteronômio 7:7, 8.
11 A própria luz brilhou para o justo E [a] alegria, até mesmo para os retos no coração.(97:11)
Isso nos faz lembrar Provérbios 4:18, que reza: “A vereda dos justos é como a luz clara que clareia mais e mais até o dia estar firmemente estabelecido.” Visto que nós, Testemunhas de Jeová, temos apreço pelas Escrituras, em vez de por tradições, somos parecidos aos primeiros cristãos. A atitude deles é claramente percebida nos livros históricos das Escrituras Gregas Cristãs e nas suas cartas, escritas sob inspiração divina.
8 Que os rios batam palmas; Os próprios montes gritem todos juntos em júbilo.(98:8) Quando Jeová volta favoravelmente sua atenção para o seu povo, isto exerce um bom efeito sobre a terra. As encostas dos montes, cultivadas e cuidadas, deixam de ter uma aparência descuidada, como se pranteassem num estado de desolação ou praga. Portanto, em sentido figurado, os montes ‘gritam de júbilo’, e sua beleza e produtividade louvam a Jeová. — Sal 98:8; 148:7-9; compare isso com Is 44:23; 49:13; 55:12, 13; Ez 36:1-12.
6 Moisés e Arão estavam entre os seus sacerdotes,E Samuel estava entre os que invocavam seu nome. Invocavam a Jeová, e ele mesmo lhes respondia (99:6) Moisés, no Salmo 99:6, foi chamado de sacerdote por ser mediador e por ter sido designado para realizar o serviço de santificação no santuário, no qual Arão e seus filhos foram empossados no sacerdócio. Moisés intercedeu por Israel, invocando o nome de Jeová. (Núm 14:13-20) A palavra “sacerdote” ocasionalmente também era usada para denotar um “lugar-tenente” ou “ministro ou oficial principal”. Na lista de oficiais principais sob o Rei Davi, o registro reza: “Quanto aos filhos de Davi, tornaram-se sacerdotes.” — 2Sa 8:18; compare isso com 2Sa 20:26; 1Rs 4:5; 1Cr 18:17.
2 Servi a Jeová com alegria.Entrai perante ele com grito jubiloso (100:2)
Jeová é o “Deus feliz” e quer que seus servos tenham alegria em cumprir com sua dedicação a ele. (1 Timóteo 1:11) As pessoas de todas as nações deviam exultar em Jeová, e nossas expressões de louvor devem ser fortes, iguais ao ‘brado triunfante’ dum exército vitorioso. Visto que o serviço prestado a Deus é reanimador, ele deve ser acompanhado por regozijo. Por isso é que o salmista exorta as pessoas a vir à presença de Deus “com grito jubiloso”.
 4 Entrai nos seus portões com agradecimento, E nos seus pátios com louvor. Dai-lhe graças, bendizei o seu nome-(100:4)
Hoje em dia, pessoas de todas as nações entram nos pátios do santuário de Jeová, e por isso podemos dar-lhe louvor e agradecimentos. Expressa você gratidão a Deus pelo Salão do Reino local e demonstra seu apreço por se reunir regularmente ali com os que amam a ele? Enquanto ali, eleva de coração a sua voz em cânticos de louvor e de agradecimento ao nosso amoroso Pai celestial?
2 Vou agir com discrição num caminho sem defeito. Quando chegarás a mim? Dentro da minha casa andarei na integridade de meu coração-(101:2)
Se Jeová for real para nós, então vamos levar em conta seus sentimentos quando tomamos decisões. Por exemplo, nem pensaríamos em nos envolver em conduta errada e depois tentar esconder nossos pecados dos anciãos cristãos ou da família. Em vez disso, nos esforçamos a andar com Deus mesmo quando nenhum humano pode nos ver. Assim como o Rei Davi da antiguidade, decidimos que ‘dentro da nossa casa andaremos na integridade de nosso coração’.
 7 Dentro da minha casa não morará quem fizer tramóia. Quanto a qualquer falando falsidades, não ficará firmemente estabelecido Diante dos meus olhos (101:7)
Se desejamos ter amizade com Deus, não podemos mentir ou recorrer à fala macia, com coração dúplice. (Salmo 12:2) Temos de ‘falar a verdade no nosso coração’, não apenas da boca para fora. Sim, temos de ser honestos no íntimo, e temos de evidenciar “fé sem hipocrisia”. Cuide também de que seus amigos sejam os que amam a verdade. Pretensos “amigos” que mentem e defraudam os outros fariam o mesmo a você, se a situação lhes parecer conveniente. Leia as palavras do Rei Davi, registradas no Salmo 101:5-7, e adote suas normas de amizade. Sim, lembre-se de que “é o lábio da verdade que será firmemente estabelecido para todo o sempre, mas a língua de falsidade só existirá por um instante”. — Pro. 12:19
92:14, 15. Por serem estudantes diligentes da Palavra de Deus e sempre se associarem com o povo de Jeová, os anciãos continuam “gordos e com frescor” — vigorosos espiritualmente — e constituem um patrimônio valioso da congregação.
94:19. Qualquer que seja a causa de nossos “pensamentos inquietantes”, ler e meditar sobre as “consolações” que se acham na Bíblia nos confortará.
95:7, 8. Ouvir os conselhos bíblicos, dar-lhes atenção e acatá-los prontamente evitará que endureçamos o nosso coração. — Hebreus 3:7, 8.

1 Comentaram (Comente também):

Dependendo do conteúdo, seu comentário poderá ser excluído.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...