Para enviar uma Mensagem click na foto depois do Login. Será excluído, dependendo do seu perfil.

As Novidades do Site Oficial

Destaques da Leitura da Bíblia ‒ Éxodo 34-37

Leitura da Bíblia: Êxodo 34-37


 


 


Êx 34:5
O que está incluído em se conhecer o nome de Deus?
A criação material confirma a existência de Deus, mas não revela o nome de Deus. (Sal 19:1; Ro 1:20) Conhecer alguém o nome de Deus significa mais do que apenas estar familiarizado com a palavra. (2Cr 6:33) Significa realmente conhecer a Pessoa — seus propósitos, suas atividades e suas qualidades conforme reveladas na Sua Palavra. (Veja 1Rs 8:41-43; 9:3, 7; Ne 9:10.) Isto é ilustrado no caso de Moisés, homem a quem Jeová ‘conhecia por nome’, isto é, intimamente. (Êx 33:12) Moisés teve o privilégio de ver uma manifestação da glória de Jeová e também de ouvir ‘declarado o nome de Jeová’. (Êx 34:5) Esta declaração não era uma simples repetição do nome Jeová, mas era uma declaração sobre os atributos e as atividades de Deus. “Jeová, Jeová, Deus misericordioso e clemente, vagaroso em irar-se e abundante em benevolência e em verdade, preservando a benevolência para com milhares, perdoando o erro, e a transgressão, e o pecado, mas de modo algum isentará da punição, trazendo punição pelo erro dos pais sobre os filhos e sobre os netos, sobre a terceira geração e sobre a quarta geração.” (Êx 34:6, 7) De modo similar, o cântico de Moisés, que contém as palavras “pois declararei o nome Jeová”, relata os tratos de Deus com Israel e descreve a Sua personalidade. — De 32:3-44.

Êxodo 34:6
Deus é “misericordioso e clemente . . . e abundante em benevolência”. (Êxodo 34:6) Na Bíblia, a palavra “misericórdia” transmite a ideia de solidariedade ou piedade que leva alguém a ajudar outra pessoa. A raiz da palavra hebraica traduzida “clemente” é definida como “reação sincera de uma pessoa que tem uma coisa para dar a alguém em necessidade”. Segundo o Theological Dictionary of the Old Testament (Dicionário Teológico do Velho Testamento), a palavra traduzida “benevolência” inclui “a intervenção a favor de alguém que sofre infortúnio ou aflição”. Além de Jeová Deus sentir nossa dor, sua misericórdia, clemência e benevolência o motivam a oferecer ajuda. Assim, podemos ter certeza de que ele acabará com o sofrimento.

Êxodo 34:6, 7
COMO você descreveria a Deus — sua personalidade e seu modo de agir? Imagine que você pudesse fazer perguntas pessoais a Deus e ouvi-lo descrever os atributos dele. O profeta Moisés teve essa oportunidade. Felizmente, ele foi inspirado a registrar o que aconteceu.
No monte Sinai, Moisés implorou a Jeová: “Por favor, faze-me ver a tua glória.” (Êxodo 33:18) No dia seguinte, o profeta foi privilegiado com um vislumbre da glória de Deus. Moisés não descreveu em detalhes o que ele viu naquela magnífica visão. Em vez disso, registrou algo ainda mais importante — aquilo que Deus disse. Examinemos o que Jeová disse, conforme lemos em Êxodo 34:6, 7.
A primeira coisa que Jeová revela sobre si mesmo é que ele é um “Deus misericordioso e clemente”. (Versículo 6) De acordo com um erudito, a palavra hebraica traduzida “misericordioso” indica que a misericórdia de Deus reflete uma “terna compaixão, como a de um pai por seus filhos”. A palavra traduzida “clemente” está relacionada com um verbo que “descreve a reação sincera de uma pessoa que tem uma coisa para dar a alguém em necessidade”. Fica claro que Jeová quer que saibamos que ele cuida de seus adoradores assim como os pais cuidam de seus filhos — com terno amor e profunda preocupação por suas necessidades. — Salmo 103:8, 13.
Em seguida, Jeová diz que é “vagaroso em irar-se”. (Versículo 6) Ele não tem a tendência de se irar com seus servos na Terra. Pelo contrário, ele é paciente com eles, suportando suas falhas ao mesmo tempo em que lhes dá tempo para corrigir suas inclinações pecaminosas. — 2 Pedro 3:9.
Depois, Deus diz que é “abundante em benevolência e em verdade”. (Versículo 6) Benevolência, ou amor leal, é uma qualidade preciosa por meio da qual Jeová cria um laço firme e infalível entre ele e seu povo. (Deuteronômio 7:9) Jeová também é a fonte da verdade. Ele não engana nem pode ser enganado. Visto que é o “Deus da verdade”, podemos ter plena confiança em tudo o que ele diz, incluindo suas promessas para o futuro. — Salmo 31:5.
Uma outra importante verdade que Jeová quer que saibamos é que ele perdoa “o erro, e a transgressão, e o pecado”. (Versículo 7) Ele está “pronto a perdoar” pecadores arrependidos. (Salmo 86:5) Ao mesmo tempo, Jeová nunca faz vista grossa à maldade. Ele explica que “de modo algum isentará da punição”. (Versículo 7) O Deus santo e justo não permitirá que pecadores obstinados fiquem sem punição. Mais cedo ou mais tarde, eles vão prestar contas por suas ações pecaminosas.
A descrição que Jeová faz de suas qualidades é uma prova clara de que ele quer que o conheçamos e fiquemos mais familiarizados com sua personalidade e seu modo de agir. Não se sente motivado a aprender mais sobre suas belas qualidades?

Êx 34:12
Nas Escrituras Hebraicas usa-se freqüentemente o símbolo duma meretriz ou duma fornicadora. A nação de Israel foi avisada contra entrar numa relação pactuada com as nações de Canaã, porque isto os levaria a terem “relações imorais [“se prostituírem”, IBB] com os seus deuses”. (Êx 34:12-16) Tanto Israel como Judá apostataram da verdadeira adoração de Jeová Deus e foram condenados por ele por se terem empenhado em meretrício, prostituindo-se com as nações políticas e seus deuses. (Is 1:21; Je 3:6-10, 13; Ez 16:15-17, 28, 29, 38; Os 6:10; 7:11; 8:9, 10) Pode-se notar aqui que Deus não encarava Israel ou Judá como meras entidades políticas que entraram em relações com outros governos políticos. Antes, Deus repreendeu-os à base de estarem num pacto sagrado com ele, e assim tendo a responsabilidade de ser um povo santo, devotado a Ele e à Sua adoração pura. — Je 2:1-3, 17-21.

Êxodo 34:14
Os cristãos devem ser ciumentos?
CIÚME — é uma qualidade que os cristãos devem cultivar? Como cristãos, somos incentivados a nos ‘empenharmos pelo amor’, e somos informados de que “o amor não é ciumento”. (1 Coríntios 13:4; 14:1) A Bíblia também nos diz que “Jeová . . . é um Deus ciumento” e recomenda que nos ‘tornemos imitadores de Deus’. (Êxodo 34:14; Efésios 5:1) Qual é o motivo dessa aparente contradição?
Isso se dá porque as palavras hebraicas e gregas traduzidas “ciúme” na Bíblia, têm uma ampla gama de significados. Podem ter conotação tanto positiva quanto negativa, dependendo de como são usadas. Por exemplo, a palavra hebraica traduzida “ciúme” pode significar “insistência em devoção exclusiva; não tolerar rivalidade; zelo; fervor; ciúme [justo ou pecaminoso]; inveja”. A palavra grega correspondente tem um significado parecido. Essas palavras podem referir-se a uma emoção distorcida em relação a um suposto rival ou a alguém que se acredita estar obtendo algum tipo de vantagem. (Provérbios 14:30) Podem também se referir à manifestação de uma boa qualidade com o objetivo de proteger alguém que se ama. — 2 Coríntios 11:2.

Êxodo 34:24
Três vezes por ano todo homem israelita e prosélito naquela terra tinha de obedecer à ordem de comparecer perante Jeová. Muitos chefes de família levavam junto a esposa e os filhos, pois sabiam que essas ocasiões seriam espiritualmente proveitosas para toda a família. Mas quem protegeria seus lares e campos de ataques inimigos enquanto a família estivesse fora? Jeová prometeu: “Ninguém desejará a tua terra enquanto subires três vezes por ano para ver a face de Jeová, teu Deus.” (Êxodo 34:24) Os israelitas precisavam ter fé para acreditar que não sairiam perdendo em sentido material se dessem prioridade aos interesses espirituais. Será que Jeová manteve sua palavra? Sem dúvida que sim!

Êxodo 34:26
Qual era o significado do mandamento de não cozinhar o cabritinho no leite da mãe? Diz-se que cozinhar um cabritinho (o filhote de uma cabra ou de outro animal) no leite da mãe era um ritual pagão para fazer chover. Além disso, visto que o leite da mãe foi criado para nutrir o filhote, cozinhá-lo nele seria um ato de crueldade. Essa lei ajudava o povo de Deus a entender que deviam ser compassivos.

Êxodo 34:27
5 De modo similar, algumas partes da Bíblia foram supridas “pelo dedo de Deus”. (Êxo. 31:18) Jeová também usou o ditado quando a fraseologia exata era essencial. Em Êxodo 34:27, por exemplo, lemos: “Jeová prosseguiu, dizendo a Moisés: ‘Escreve para ti estas palavras, porque é de acordo com estas palavras que deveras concluo um pacto contigo e com Israel.’” Também, Jeová disse ao profeta Jeremias: “Escreve para ti num livro todas as palavras que vou falar-te.” — Jer. 30:2.

Êx 34:28
Menos de três meses depois de deixar o Egito, Israel tornou-se uma nação independente, sob o pacto da Lei, inaugurado no monte Sinai. (He 9:19, 20) As Dez Palavras, ou Dez Mandamentos, escritas “pelo dedo de Deus”, constituíam a base daquele código nacional, ao qual se adicionaram cerca de 600 outras leis, estatutos, regulamentos e decisões judiciais. Isto o tornava o conjunto mais abrangente de leis possuído por qualquer nação antiga, delineando, em grandes pormenores, o relacionamento do homem com Deus, bem como entre o homem e seu próximo. — Êx 31:18; 34:27, 28.

Êxodo 34:29
A tradução vulgata latina da Bíblia diz-nos que, depois de sua palestra com Deus no monte Sinai, o rosto de Moisés “tinha chifres”. (Êxodo 34:29, 30, 35; veja A Bíblia de Jerusalém, nota.) A Vulgata gozava de muita popularidade em grande parte da cristandade e, por isso, influenciou a maneira de se entender certos textos.
Contudo, a palavra hebraica traduzida “tinha chifres” tem também o significado de ‘emitir raios’ ou ‘resplandecer’. (Veja a nota da Bíblia Mensagem de Deus em Êxodo 34:29-35.) De acordo com o Theological Wordbook of the Old Testament (Manual Teológico de Termos do Antigo Testamento), a palavra “denota o formato de chifre(s) em vez de a substância”. E, quando encarados pictoricamente, raios de luz realmente assemelham-se a chifres.
O fato de que o rosto de Moisés emitir raios é explicável, pois a glória de Jeová acabara de passar diante dele. (Êxodo 33:22; 34:6, 7) e este é o entendimento Paulo confirma que este é o entendimento correto ao escrever sobre a “glória” do rosto de Moisés, não dos seus “chifres”. — 2 Coríntios 3:7.

Êxodo 35:21
O apóstolo Paulo talvez pensasse num exemplo anterior de contribuição generosa, que ocorreu no ermo mais de 15 séculos antes do seu tempo. As 12 tribos de Israel haviam sido libertadas da escravidão no Egito. Encontravam-se então no sopé do monte Sinai, e Jeová ordenou-lhes que construíssem um tabernáculo a ser usado para a adoração e o equipassem com implementos. Isto exigia muitos recursos, e a nação foi convidada a contribuir.
Como reagiram esses israelitas? “Eles vieram então, todo aquele cujo coração o impelia, e trouxeram, todo aquele cujo espírito o incitava, a contribuição pertencente a Jeová para a obra da tenda de reunião.” (Êxodo 35:21) Fez a nação uma oferta generosa? Com certeza! Moisés recebeu o seguinte relatório: “O povo está trazendo muito mais do que o serviço requer para a obra que Jeová mandou fazer.” — Êxodo 36:5.
Qual era a situação financeira dos israelitas lá naquele tempo? Pouco tempo antes, eles haviam sido reles escravos, ‘oprimidos com fardos’, levando uma ‘vida amargurada’, uma vida de “tribulação”. (Êxodo 1:11, 14; 3:7; 5:10-18) Portanto, é pouco provável que fossem materialmente prósperos. É verdade que os israelitas saíram do país de escravidão com rebanhos e manadas. (Êxodo 12:32) Mas estes talvez não fossem muito grandes, visto que pouco depois de deixarem o Egito se queixaram de que não tinham nem carne nem pão para comer. — Êxodo 16:3.
Então, onde obtiveram os israelitas as coisas valiosas que contribuíram para construir o tabernáculo? Dos seus donos anteriores, os egípcios. A Bíblia diz: “Os filhos de Israel . . . [foram] pedir dos egípcios objetos de prata, e objetos de ouro, e capas. . . . [Os egípcios] lhes concederam o que se pedia.” Estes atos generosos da parte dos egípcios foram uma bênção de Jeová, não de Faraó. O registro divino diz: “Jeová deu ao povo favor aos olhos dos egípcios, de modo que estes lhes concederam o que se pedia.” — Êxodo 12:35, 36.
Imagine como os israelitas se sentiram. Gerações deles haviam sofrido amarga escravidão e privações. Daí ficaram livres e possuíam abundantes bens materiais. O que achariam de entregar parte desses bens? Talvez achassem que os haviam merecido e que tinham o direito de ficar com eles. No entanto, quando chamados para contribuir financeiramente para apoiar a adoração pura, fizeram isso — e não de forma relutante ou mesquinha! Não se esqueceram de que Jeová possibilitou que tivessem esses bens materiais. De modo que contribuíram abundantemente da sua prata, do seu ouro e do seu gado. Estavam “de coração disposto”. Seu ‘coração os impelia’. ‘Seu espírito os incitava.’ Era deveras “uma oferta voluntária a Jeová”. — Êxodo 25:1-9; 35:4-9, 20-29; 36:3-7.

Êx 37:7
Figuras representativas de querubins foram incluídas no mobiliário do tabernáculo erguido no ermo. Das pontas da tampa da Arca erguiam-se dois querubins de ouro batido. Estes encaravam um ao outro, e se curvavam em direção à tampa em atitude de adoração. Cada um deles tinha duas asas que se estendiam para cima e recobriam a tampa como que dum modo defensor e protetor. (Êx 25:10-21; 37:7-9) Também, a face interior dos panos da tenda do tabernáculo e a cortina que dividia o Santo do Santíssimo estampavam figuras bordadas de querubins. — Êx 26:1, 31; 36:8, 35.
Estas não eram figuras grotescas, modeladas segundo as monstruosas imagens aladas que eram adoradas pelas nações pagãs nos arredores, como alguns argumentam. Segundo o testemunho unânime da antiga tradição judaica (a Bíblia guarda silêncio sobre o assunto), estes querubins tinham forma humana. Eram excelentes obras de arte que representavam criaturas angélicas de gloriosa beleza, e cada detalhe fora feito ‘segundo o modelo’ que Moisés recebeu do próprio Jeová. (Êx 25:9) O apóstolo Paulo os descreve como ‘querubins gloriosos que encobriam a tampa propiciatória’. (He 9:5) Tais querubins eram associados com a presença de Jeová: “E ali me hei de apresentar a ti e falar contigo de cima da tampa, de entre os dois querubins que há sobre a arca do testemunho.” (Êx 25:22; Núm 7:89) Por isso, dizia-se que Jeová estava “sentado sobre [ou entre] os querubins”. (1Sa 4:4; 2Sa 6:2; 2Rs 19:15; 1Cr 13:6; Sal 80:1; 99:1; Is 37:16) De maneira simbólica, os querubins serviam como “a representação do carro” de Jeová, no qual ele viajava (1Cr 28:18), e as asas dos querubins ofereciam tanto proteção vigilante como rapidez na viagem. Assim Davi, em cântico poético, descreveu a rapidez com que Jeová veio em sua ajuda, dizendo que “veio montado num querubim e veio voando”, até mesmo “nas asas dum espírito”. — 2Sa 22:11; Sal 18:10.

Êx 37:25
Altar do incenso. O altar do incenso (também chamado de “altar de ouro” [Êx 39:38]) era igualmente feito de madeira de acácia, o topo e as laterais sendo revestidos de ouro. Uma bordadura de ouro orlava o topo. O altar media 44,5 cm de cada lado e tinha 89 cm de altura, e também possuía “chifres” que se projetavam de seus quatro cantos superiores. Duas argolas de ouro foram feitas para a inserção dos varais de acácia, para transporte, recobertos de ouro, e estas argolas foram colocadas por baixo da bordadura de ouro, em lados opostos do altar. (Êx 30:1-5; 37:25-28)


Fonte: www.jw.org


0 Comentaram (Comente também):

Postar um comentário

Dependendo do conteúdo, seu comentário poderá ser excluído.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...