Este é um blog que incentiva a edificação através da leitura da bíblia, boa preparação das publicações, cânticos, experiencias e ajuda a direcionar o leitor ao site oficial, aceitamos somente comentários apreciativos e construtivos, visto que não somos um fórum de discussões. Este blog não representa e não é oficial das testemunhas de Jeová, e muito menos é apóstata, basta verificar seu conteúdo, é um blog de iniciativa pessoal, acesse: Nosso Site Oficial: www.jw.org

As igrejas evangélicas e suas falsas profecias: Assembleia de Deus, batistas e outras.

 Igreja Luterana
Uma das confissões protestantes mais proeminentes é a Igreja Luterana, originada pelo reformador Martín Lutero (1483-1546). A piora dos acontecimentos durante o século XVI levou A Lutero a predizer que o fim do mundo era iminente.
De acordo com Reformation Principles and Practice: Essays in Honra of Arthur Geoffrey Dickens, pág 169, Lutero afirmou: “Por minha parte, estou seguro de que no dia do juízo está à volta da esquina. Não importa que não saibamos o dia exato… quiçá alguém possa calculá-lo. Mas é verdadeiro que os tempos estão chegando a seu fim”. O pesquisador Robin Bruce Barnes, em seu livro Prophecy and Gnosis-Apocalypticism in the Wake of the Lutheran Reformation , págs. 32 e 40, declara:
“Para Lutero, tinha um claro modelo de degeneração na história mundial (…) Ao fazer coincidir fatos históricos com profecias bíblicas, Lutero pôde anunciar a proximidade do cataclismo final e a libertação dos crentes com relativa certeza. Estava por tanto seguro de que seu próprio tempo era o ‘tempo do fim’ mencionado em Daniel 12, quando o significado de tais profecias ia ser revelado”.
Seguindo a proclamação de um desastre iminente depois da morte de Lutero, apareceram regularmente recopilações de suas predições. Alguns eram panfletos breves, como “As variadas declarações proféticas do doutor Martín Lutero, o terceiro Elías”. A respeito deste, o escritor luterano Robin Bruce Barnes, escreveu no livro
Prophecy and Gnosis-Apocalypticism in the Wake of the Lutheran Reformation , pág. 64:
“Lutero tinha profetizado que, depois de sua morte, o Evangelho desapareceria”. Um zeloso luterano chamado Adam Nachenmoser escreveu uma volumosa obra titulada
Prognosticam Theologicum para 1584, na que tratava de interpretar todas as profecias da Bíblia. Num caso (segundo a obra anteriormente citada de R. B. Barnes, págs. 121, 122), Nachenmoser predisse que “em 1590 o Evangelho seria pregado a todas as nações e se atingiria uma maravilhosa unidade. (…) O último dia então estaria próximo. Nachenmoser ofereceu numerosas conjecturas sobre a data; 1635 parecia a mais provável”.
Outro dirigente luterano ,
Andreas Osiander , escreveu Conjecturas sobre os últimos dias e o fim do mundo (em latim em 1544 e em alemão em 1545). Nesta obra se afirmou (segundo a obra de R. B. Barnes, pág. 116) que “a queda do Anticristo estava prevista para 1672. Seguiria um período de uns 16 anos durante o qual se pregaria o Evangelho por todo mundo. Ao final desse tempo, ao começar a pensar as pessoas que todo ia bem e que podiam viver como quisessem, cairia um terrível castigo sobre eles e o Senhor viria como um ladrão na noite”.
Todas estas predições luteranas falharam

A questão em relação à Igreja Católica Romana
A enorme Igreja Católica Romana tem também uma história de predições que nunca se cumpriram.
Gregório I (Papa em 590-604), predisse que o fim do mundo era iminente numa carta que escreveu a um monarca europeu chamado Etelberto. Segundo se cita no livro de Bernard McGinn, Visions of the End—Apocalyptic Traditions in the Middle Ages, pág. 64, este Papa escreveu: “Ademais, também desejamos que saiba sua majestade, segundo aprendemos das palavras do Deus Todo-poderoso em suas Santas Escrituras, que o fim do presente mundo está já próximo e o eterno Reino dos Santos se aproxima. Ao ir-se aproximando este fim do mundo, sucederão muitas coisas infreqüentes: mudanças climáticas, terrores do céu… Estas coisas não vão suceder em nossos próprios dias, mas todas elas virão a seguir de nossos tempos”.
Segundo Cyclopaedia of Biblical, Theological & Ecclesiastical Literature, de M’Clintock e Strong , tomo 1, pág. 257, “Para o ano 950, Adso, um monge de um mosteiro de Franconia ocidental, escreveu um tratado sobre o anticristo, no que atribuía um tempo posterior para sua vinda, e também para o fim do mundo. (…) Diz: ‘Um rei franco restaurará o Império Romano e abdicará no morro das Oliveiras, e ao dissolver-se seu reino, o Anticristo será revelado”.
Este estudo não estaria completo sem fazer referência às predições do abade católico romano Joaquín de Fiore, célebre escritor e clérigo.
Segundo Robin Bruce Barnes, em seu livro Prophecy and Gnosis-Apocalypticism in the Wake of the Lutheran Reformation , pág. 22:
“O pensador profético mais original da alta idade média foi o abade calabrés Joaquín de Fiore (1131-1202). (…) Em seus escritos mais influentes, Joaquín interpretou a história através da Bíblia como um desenvolvimento progressivo de três fases, cada uma das quais era governada por uma pessoa da Trindade. A Idade do Pai, uma idade de temor e obediência sob a Lei, tinha sido consumada com a vinda de Cristo. A Idade do Filho era a época presente da fé e a tutela sob o Evangelho. Seria seguida a sua vez pela Idade do Espírito Santo. (…) Esta terça e última fase histórica, na que se consumaria a história humana, já estava em suas albores no final do século XII; Joaquín esperava sua realização completa uma gerações depois do ano 1200”.
Outro católico, Arnaldo de Villanova (segundo Visions of the End, pág. 147, e Prophecy and GnosisApocalypticism in the Wake of the Lutheran Reformation, pág. 24, de McGinn) predisse que o Anticristo apareceria em 1378.
É óbvio que todas estas predições católicas falharam.

A questão em relação com a Igreja Batista
A Igreja Batista, com suas muitas ramificações, é uma das igrejas protestantes mais proeminentes no mundo. Também tem seu próprio registro de predições especulativas. Segundo When Prophecy Fails, de Festinger, Riecken e Schaeter , pág. 7, um dos primeiros grupos, “os anabaptistas de princípios do século XVI criam que no Milênio teria lugar em 1533”.
Hoje dia, no tema do governo milenar de Cristo, ao menos um bando da Igreja Batista deve estar equivocado com respeito a suas predições, pois há basicamente dois pontos de vista proféticos em conflito dentro dessa igreja. Os autores Ou.K. Armstrong e Marjorie Armstrong o deixaram claro no capítulo 17 de sua obra The Indomitable Baptists: “Um tema favorito de disputa entre Batistas ultraconservadores é a doutrina do Milênio, em relação com a segunda vinda de Cristo. Uma menção do Milênio no livro de Apocalipse, tomada literalmente, fez surgir argumentos sobre o governo de Cristo sobre a Terra, já seja por mil anos antes de sua ascensão final ou durante os mil anos de depois”. Um grupo recebeu o nome de “premilenaristas” e o outro de “amilenaristas”, o que faz surgir a questão de qual grupo fez a predição correta. Evidentemente, há algum tipo de predição frustrada dentro de outra confissão amplamente respeitada.
A princípios do século XX, o conhecido Dr. Isaa M. Haldeman, pastor da Primeira Igreja Batista da cidade de Nova York, predisse que antes de que os judeus voltassem a Palestina apareceria o Anticristo. Em seu livro The Signs of the Times, págs. 452-453, Haldeman explicou: “As Escrituras ensinam que este homem (o Anticristo) será o principal fator de que voltem os judeus como conjunto a sua própria terra; que será o poder que consiga o sucesso do sionismo; que através dele triunfará o nacionalismo dos judeus”. Quando se fundou Israel em 1948, os judeus foram restaurados a Palestina sem que tivesse chegado o Anticristo.

A questão em relação com as igrejas evangélicas pentecostais
Uma das principais igrejas protestantes “carismáticas” de nosso tempo é Assembléias de Deus. Este grupo tem uma rica história de predições que não se cumpriram.
Um estudo definitivo sobre as predições realizadas por esta igreja se publicou em 1977 sob o título Armageddon Now!. Seu autor, Dwight Wilson, é um ministro ordenado de Assembléias de Deus e serviu como catedrático de História no seminário Bethany Bible em Santa Cruz, California. Este livro fala de predições frustradas desta e outras igrejas, e em sua sobrecapa se inclui o seguinte aviso: “O autor adverte a seus parceiros premilenaristas que perderão credibilidade se seguem vendo em cada crise política um cumprimento seguro de profecias bíblicas pese a seus óbvios erros relativos a crises anteriores”.
Durante a 1ª Guerra Mundial, a revista The Weekly Evangel, publicação oficial de Assembléias de Deus, fez a seguinte predição em seu número do 10 de abril de 1917, pág. 3: “Ainda não estamos na luta de Armagedon propriamente dita, senão em seu começo, e pode ser, se os estudantes de profecias interpretam bem os sinais, que Cristo vinga antes de que termine a atual guerra, e antes de Armagedon. (…) A guerra preliminar ao Armagedon, ao que parece, começou”.
O número do 13 de maio de 1916 da mesma revista, págs. 6-9, incluía um artigo titulado “Os tempos dos gentis” no que se fizeram mais predições. Entre elas, ele declarou: “Tal como Israel perdeu o domínio sobre sua terra ao princípio destes tempos dos gentis (606 a.E.C., segundo o autor deste artigo), parece que a primeira data terminal marcaria algum tipo de princípio de restauração da terra. Não dá isto grande significado ao movimento sionista de parte dos judeus? (…) Que inspirador é o pensamento de que, se 1915 ou 1916 resulta ser a primeira data terminal, então os 19 anos mais até 1934 ou 1935 podem abarcar o tempo do fim com seu redemoinho de acontecimentos, como o reino dos dez reis, o Anticristo, o pacto de sete anos…”.
Um destacado dirigente de Assembléias de Deus , Thomas M. Chalmers, num sermão pronunciado a princípios dos anos 20 do século passado ante a Igreja de Assembléias de Deus de Springfield, Missouri, fez predições baseadas em sua exegese de Ezequiel capítulo 38. Em parte ele declarou :
“Se meia dúzia de anos ou mais, (não acho que será nem 12 anos!)”
Portanto, ADVENTISTAS, PROTESTANTES, CATÓLICOS, EVANGÉLICOS E MUITOS OUTROS ESPECULARAM DATAS OU ÉPOCAS E NÃO APENAS AS TESTEMUNHAS DE JEOVÁ . SE alguém cita apenas as TJ como se fossem os únicos que especularam sobre datas, então estas acusações unidirecionais demonstram parcialidade e injustiça na avaliação. As TJ não fizeram previsões proféticas como muitos sites na WEB dão a entender de modo enganoso. Elas fizeram especulações BASEADAS em Profecias legitimas da Bíblia. Algo que quase todos os movimentos religiosos fizeram ao longo do tempo.
O mais famoso de todos a fazer tais previsões foi de fato um Batista….William Miller que predisse 1843 como o ano do fim.
No 5º século, o Concilio de Efesus decidiu que o milenio já começou.
Papa Gregory I , 590-604 C.E., predisse o iminente fim do mundo.
Monge Espanholç Beatus predisse o fim para o ano 800 A.D.

Fonte

0 Comentaram (Comente também):

Postar um comentário

Dependendo do conteúdo, seu comentário poderá ser excluído.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...